Yamas e Niyamas by Simon Borg

YAMA para mim é praticar o viver de forma gentil, balanceada, ofertando sustento e liberdade.

Gentilmente é Ahimsa (não violência), balanceado é Satya (verdade). Oferecer (oposto de tomar) é Asteya (não roubar). E Brahmacharya (celibato, jejum, renúncia) significa não significa “não fazer amor” mas, em vez disso, nutrir relações. E Aparigraha (desapego) significa ser livre.

NIYAMA significa para mim, o apaixonado, à procura de remover os obstáculos da felicidade e da conexão amorosa.

Saucha (pureza) é limpar ou, para mim, é remover os obstáculos que bloqueiam o movimento de energia dentro de nós. Nós precisamos de menos tensão, forçar menos ou fazer nosso corpo se mover com mais balanço. Respirar menos: Fitness é quando você aprende a fazer coisas enquanto respira menos. Fazer mais coisas enquanto respira menos. Pensar menos. Concentração. Mais foco.

Santosha (contentamento) é a escolha de se sentir como você quer se sentir. Santosha é a escolha de ser feliz, não esperar para ser feliz. De reconhecer que a felicidade não é algo pelo qual você espera mas, em vez disso, é algo que você escolhe. E você pode escolher a angústia também. Mas a felicidade é uma boa escolha, se você a quiser.

Tapas (austeridade) não é apenas a árdua austeridade. É mas o fervor, o desejo, o apaixonado desejo de fazer o seu melhor.

Svadhyaya (autoestudo) não é apenas o estudo, mas o estudo interno. O estudo de si mesmo, encontre para que você está aqui. Por que estamos aqui, quem nós somos, porque somos o que somos…

Ishvara Pranidhana (entrega a Deus) não é apenas devoção a algo exterior, mas o reconhecimento de que estamos todos conectados. Conectados como uma mãe e um filho apaixonados. Então, a meu ver, é o devoto reconhecimento, o reconhecimento de que vivemos em um oceano de amor.”