Dor: encontre conforto mesmo no desconforto

“Muitas pessoas vivem no passado ou no futuro para evitar a experiência do presente, já que este é às vezes doloroso ou difícil de suportar.

Nas aulas de ioga, vários alunos pensam que vem simplesmente “ranger os dentes e aguentar” até que o professor lhes diga que podem sair do ássana. A ioga para eles é como a calistenia, mas estão enganados. A dor está ali para nos ensinar, porque a vida é repleta de dor. Somente no esforço há conhecimento. Só quando há dor você consegue ver a luz. A dor é o seu guru.

Assim como nos entregamos alegremente aos prazeres, devemos também aprender a não ficar infelizes quando a dor surge. Assim como o prazer parece bom, precisamos aprender a encarar a dor como algo bom.

Aprenda a encontrar conforto mesmo no desconforto. Não devemos tentar fugir da dor, em vez disso, precisamos atravessá-la e superá-la. Isso é cultivar a tenacidade e a perseverança; é assumir uma atitude espiritual perante a vida.

Assim como os códigos de ética da ioga purificam nossas ações no mundo, os ássanas e o pranaiama purificam nosso mundo interno. Essas práticas nos ajudam a aprender a suportar e subjugar as dores e aflições inevitáveis da vida.

Por exemplo, para saber se temos diabete, fazemos um teste para descobrir qual o grau de tolerância do nosso corpo ao açúcar. De modo semelhante, as práticas de ioga revelam quanta dor o corpo pode suportar e quanta aflição a mente é capaz de tolerar.

Já que a dor é inevitável, o ássana é o laboratório no qual descobrimos como tolerar a dor que não podemos evitar e como transforma a que podemos evitar.”

 

 

Trecho extraído do Livro Luz na Vida, B.K.S. Iyengar

Bellur Krishnamachar Sundararaja Iyengar
(Bellur, 14 de dezembro de 1918 — Pune, 20 de agosto de 2014),
mais conhecido como B.K.S. Iyengar, foi o fundador do Iyengar yoga
e foi um dos mais respeitados professores de ioga no mundo,
além de ter escrito um grande número de textos sobre yoga.
Milhões de estudantes e seguidores em todo o mundo praticam o Iyengar yoga.

When I practise, I am a philosopher,
when I teach, I am a scientist,
when I demonstrate, I am an artist
(Quando pratico, sou um filósofo,
quando ensino, sou um cientista,
quando demonstro, sou um artista)